Publicado em CONFESSIONÁRIO

Enquanto há vida, o que importa?

Dos sonhos confusos que fazem das noites tormentas. Despertam! Desperta! Acorda! Da queda de onde há vida! Dói! DÓI MUITO! Sinta! Grite! Clama ! Chora! Chore o que for de chorar, a dor que estiver em chamas, a carne viva que inflama. SINTA ! Confusa, confunda, saia desse sonho que te embriaga, escapa desse torpor que te renuncia. VIVA!

O que importa?

O que suporta?

O que comporta?

Desperta a verdade que incomoda, estampa na tua cara o medo que te sufoca, abraça a saudade que não te deixa dormir. Abra os olhos, cante, dançe sobre os teus próprios escombros, a noite fria que te sussurra lamentos uma hora passa. Dê o seus próprios passos, salte, corra.

Abra as janelas, sinta o calor te abraçar, de tudo o que foi, de tudo o que restou, de tudo o que virá! Ainda há vida, ainda pulsa teu peito.

RESPIRA!

RESPIRA FUNDO!