Publicado em COISAS DO MUNDO

Este é o meu corpo… isto é o meu sangue…

Sangue de mais uma…30….estupro coletivo…Castelo….Bom jesus….Rio de Janeiro…a cada 11 minutos um estupro no Brasil…Até escrever dói… Pensar sobre isso me afeta, sinto como se fosse em mim a dor e dói, dói, dói uma dor profunda, não poderia ter sido eu, foi em mim também. Foi um duro golpe. Mais um nesses tempos estranhos. É também pela menina, que é dada como puta, que se sexualiza antes do tempo, que não tem tempo de escolher, não tem tempo, tempo, tempo que não volta, é por elas que quem pode tem a obrigação de fazer alguma coisa. Mais uma…mais outra…e outra que morre, que sofre, que apanha, mais uma sentenciada por nascer mulher. Somos estupradas, toda hora, todo dia, todo mísero segundo uma mulher é violada, abusada, estuprada e culpada por ser vítima, exposta, julgada, humilhada.

Mas o que fazer? Como fazer? Não estamos livres…Privilégio nenhum nos salva…conhecimento nenhum nos livra do sofrimento…do tormento de martelar que poderá ser a próxima da vez….próxima esquina…próxima rua…próxima semana.

Que sociedade estamos construindo com esse mar de intolerância e retrocesso? Que vida coletiva queremos? Quando vamos lutar? Quando for eu? Quando for você? Quantas mais tem que morrer? Quantas vidas se perderem para que façamos alguma coisa concreta!?

Este corpo….este sangue…., também são meus, também são teus e essa vida que se esvai em dor também é minha. E nessa sina lutar para sobreviver. Lutar para não morrer. Lutar e viver.